Últimas Notícias
Capa » Medicamentos » PARA QUE SERVE O BLAUFERON B ? – BULA

PARA QUE SERVE O BLAUFERON B ? – BULA

Blauferon- B
Interferon Alfa 2B
Recombinante

Formas farmacêuticas e apresentações – BLAUFERON B
Caixas, contendo frasco- ampola com 1; 3; 5 e 10 milhões de U.I. de Interferon Alfa-2B liofilizado, com glicina, albumina2 humana, fosfato de sódio dibásico e fosfato de sódio monobásico. A solução é preparada antes do uso pela adição de uma ampola de diluente (1 ml de água destilada para injetável).

USO ADULTO.

Fórmula de composição – BLAUFERON B
BLAUFERON- B® 1 M.U.I.:
Cada frasco- ampola contém:
Interferon Alfa- 2B 1.000.000 U.I.
Excipiente 23,82 mg
Cada ampola contém:
Água destilada para Injetáveis 1 ml
BLAUFERON- B® 3 M.U.I.:
Cada frasco- ampola contém:
Interferon Alfa- 2B 3.000.000 U.I.
Excipiente 23,82 mg
Cada ampola contém:
Água destilada para Injetáveis 1 ml
BLAUFERON- B® 5 M.U.I.:
Cada frasco- ampola contém:
Interferon Alfa- 2B 5.000.000 U.I.
Excipiente 23,82 mg
Cada ampola contém:
Água destilada para Injetáveis 1 ml
BLAUFERON- B® 10 M.U.I.:
Cada frasco- ampola contém:
Interferon Alfa- 2B 10.000.000 U.I.
Excipiente 23,82 mg
Cada ampola contém:
Água destilada para Injetáveis 1 ml

INFORMAÇÃO AO PACIENTE: – BLAUFERON B
O Interferon Alfa- 2B recombinante é um modificador da resposta biológica que apresenta propriedades antivirais, antiproliferativas e imunomoduladoras.Cuidados de conservação:
Conservar o produto antes da diluição em temperatura entre 2°C e 8°C. Uma vez reconstituído e na impossibilidade de uso imediato, conservar o produto em geladeira por até 7 dias. A solução diluída é clara e incolor ou ligeiramente amarelada.
Prazo de validade:
24 meses após a data de fabricação (vide cartucho). O prazo de validade encontra- se gravado na embalagem externa; em caso de vencimento inutilize o produto. Nenhum medicamento deverá ser administrado após o término do seu prazo de validade.
Informe ao seu médico se estiver grávida, amamentando ou engravidar durante o tratamento.
O BLAUFERON- B® deve ser administrado por via subcutânea ou intramuscular.
Como ocorre com o uso de outras drogas antineoplásicas, o BLAUFERON® não deve ser administrado a homens e mulheres em idade fértil, a não ser que estejam fazendo uso de métodos contraceptivos eficazes.
Hemogramas completos periódicos devem ser realizados durante o tratamento com o BLAUFERON- B® e também antes e durante a terapia em períodos apropriados.
Cuidados na interrupção do tratamento:
Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.
Informar ao médico o aparecimento de reações desagradáveis como febre3, fadiga, dores musculares, dores de cabeça que possam ser associadas ao uso do medicamento.
TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.
Ingestão concomitante com álcool não é aconselhável.
Contra- indicações:
História de hipersensibilidade ao Interferon Alfa- 2B Recombinante ou a qualquer um dos componentes de BLAUFERON-B® contra-indica seu uso.

NÃO TOME REMÉDIO SEM CONHECIMENTO DE SEU MÉDICO,
PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE.

INFORMAÇÃO TÉCNICA – BLAUFERON B
O Interferon Alfa- 2B recombinante é uma proteína altamente purificada formada por 165 aminoácidos, com peso molecular aproximado de 19.000 daltons.
O BLAUFERON- B® é produzido por técnicas de DNA recombinante, onde se hibridizou um plasmídeo geneticamente planejado no gen da bactéria4 Escherichia coli.
O Interferon Alfa- 2B apresenta-se na forma de liofilizado estéril em frasco-ampola de dose única, mais ampola de 1 ml de água estéril para injetáveis que é utilizado para reconstituir o liofilizado.
Cada frasco- ampola contém: 1; 3; 5 e 10 milhões de unidades internacionais (M.U.I.) de Interferon Alfa-2B recombinante liofilizado e excipientes (fosfato dissódico, fosfato monossódico, glicina, albumina2 humana).

Ação terapêutica – BLAUFERON B
Em estudos pré- clínicos apresentou atividades antiproliferativas que empregaram tanto sistemas de culturas, quanto xenoenxertos de tumores humanos em animais. Demonstrou atividade imunomoduladora “in vitro”.Os interferons manifestam suas atividades celulares mediante ligação a receptores específicos de membrana na superfície celular.
Os resultados de diversos estudos sugerem que, uma vez ligado à membrana celular, o interferon inicia uma complexa seqüência de reações intracelulares que incluem a indução de determinadas enzimas.
Acredita- se que este processo, pelo menos em parte, seja responsável pelas diversas respostas celulares ao interferon, incluindo inibição de replicação virótica em células infectadas por vírus5, supressão da proliferação celular e atividades imunomoduladoras, tais como a potencialização da atividade fagocitária dos macrófagos e aumento da citotoxicidade específica dos linfócitos para as células-alvo. Todas estas atividades possivelmente contribuem para os efeitos terapêuticos do interferon.
A normalização de um ou mais parâmetros acontece ainda no mês inicial do tratamento.
O aumento do número de granulócitos, plaquetas6 e níveis de hemoglobina7 ocorre em seis meses ou mais de tratamento. Os pacientes não esplenectomizados tiveram uma resposta similar em relação à necessidade de transfusões de sangue8. Este regime deve ser mantido a menos que o quadro progrida rapidamente ou que se manifeste intolerância grave.

Indicações e Uso – BLAUFERON B
O BLAUFERON- B® é indicado no tratamento de condiloma1 acuminado, verruga plantar, hepatite9 viral (necrose10 hepática subaguda, deficiência hepática viral aguda neonatal, hepatite9 B aguda, hepatite9 crônica ativa B), herpes zoster11, vírus5 da AIDS, leucemia12 mielóide crônica, linfoma13 não-Hodgkins de grau médio e baixo, leucemia12 de células pilosas, Sarcoma de Kaposi14 e tumores sólidos.

Via de administração – BLAUFERON B
O BLAUFERON- B® é usualmente administrado via intramuscular ou subcutânea. Também é possível via endovenosa, intratecal ou intraperitoneal.
Contra-indicações – BLAUFERON B
O BLAUFERON- B® está contra-indicado para os seguintes casos: a) pacientes que já mostraram alergia15 específica ao interferon ou a alguns excipientes presentes (glicina, albumina2 humana), b) transtornos epilépticos ou alterações funcionais do sistema nervoso16, c) cardiopatia grave, d) alteração renal17 ou hepática grave.

Advertências – BLAUFERON B
O BLAUFERON- B® deve ser administrado sob estrito controle de um médico familiarizado com tratamentos antineoplásicos.Para pacientes com histórico de cardiopatias, mesmo sem registros de efeitos cardiotóxicos provocados pelo Interferon Alfa- 2B humano, é possível que certos efeitos secundários agudos (febres,calafrios) venham a agravar a doença cardíaca pré-existente. Administrar o BLAUFERON-B® com prudência em pacientes mielossuprimidos, dado a leucopenia18 ser um dos efeitos citotóxicos produzidos pelo medicamento. Sendo o rim19 o órgão metabolizador do fármaco, o BLAUFERON-B® está contra-indicado nos casos de doença grave que o afete. Em casos leves, deve ser utilizado sob controle restrito.
Em pacientes com doenças hepáticas ou mielóides graves, desaconselha- se o uso de BLAUFERON-B® recombinante. Em caso de doenças leves, seu uso deve ser realizado com especial controle das funções.
Seu uso não é recomendado em pacientes que apresentam infecções no sistema nervoso16 central e/ou alterações epilépticas.
Em todos os casos é recomendável um cuidadoso acompanhamento neurológico.

Precauções para o uso durante a gravidez20 e em lactação21 – BLAUFERON B
Ainda que não tenham sido relatados efeitos teratogênicos para o BLAUFERON- B®, não se pode excluir a possibilidade de uma ação tóxica sobre o feto durante a gravidez20. Nestes casos, este fármaco somente será administrado nos casos em que o benefício justifique o risco potencial para o feto. Segundo as normas que regem o uso de fármacos antiproliferativos, os pacientes tratados com BLAUFERON-B® deverão praticar uma anticoncepção eficaz. Não há evidências de que o BLAUFERON-B® passe para o leite materno humano. Desta maneira, a decisão de interromper a lactação21 ou a administração desta droga dependerá de uma correta avaliação do risco-benefício. Em qualquer caso, é necessário realizar contagem sangüínea antes e durante a administração de Interferon Alfa-2B recombinante.

Uso Restrito – BLAUFERON B
A experiência de uso em pacientes com idade inferior a 18 anos é limitada, e, em tais casos os benefícios esperados devem ser cuidadosamente comparados aos riscos em potencial.
Interações Medicamentosas – BLAUFERON B
Como os produtos à base de interferon- alfa alteram o metabolismo22 celular, existe a possibilidade de que o BLAUFERON-B® modifique a ação de outros fármacos. Até o momento não há dados suficientes sobre as possíveis interações com outros medicamentos.

Exames Laboratoriais: – BLAUFERON B
As alterações laboratoriais mais freqüentemente observadas, principalmente com doses superiores a 10 milhões de U.I./dia, incluem elevação das transaminases séricas (TGO e TGP) em alguns pacientes sem hepatite9 e, também, em alguns com hepatite9 B crônica, coincidentemente com depuração de DNA viral, redução na contagem de granulócitos e na contagem de plaquetas6.Estas anormalidades foram rapidamente reversíveis mediante suspensão ou redução no tratamento com BLAUFERON- B®. Outros achados laboratoriais encontrados incluem a diminuição das concentrações séricas de fosfatase alcalina, desidrogenase láctica e creatinina23.

Reações adversas – BLAUFERON B
A maior parte dos pacientes tratados com BLAUFERON- B® relataram sintomas24 similares aos da gripe25, tais como: febre3, calafrios, fadiga, anorexia26, dor de cabeça, dores articulares e sudorese27. A administração de paracetamol ou aspirina atenuou estes efeitos. A redução da dose também leva à diminuição destes sintomas24.

Trato digestivo: – BLAUFERON B
A maioria dos casos apresentou anorexia26 e náuseas28. Com menor freqüência vômitos29, diarréias e dor abdominal. São raros os sintomas24 como prisão de ventre, flatulência, hipermotilidade e acidez. Em casos excepcionais observou- se reativação de úlcera péptica30 e hemorragia31 intestinal não graves. Também foi observado aumento dos marcadores enzimáticos hepáticos que em geral não requerem modificações no tratamento.
Sistema Nervoso16 Central: – BLAUFERON B
Sonolência, depressão, vertigem32, confusão, dificuldade de concentração, e outros. Sonolência profunda e coma33 não são freqüentes.

Sistema Cardiovascular34: – BLAUFERON B
Ainda que com baixa freqüência, relataram- se casos de hipo e hipertensão35 transitórios, arritmias, palpitações36, edemas e cianose37. Raramente edema38 pulmonar, insuficiência cardíaca39, parada cardiorespiratória e infarto do miocárdio40.Foi observada hipotensão41 relacionada com depleção de fluídos, por este motivo os pacientes tratados com Interferon Alfa- 2B deverão ser mantidos adequadamente hidratados.

Pele e mucosas: – BLAUFERON B
Prurido42, exantema43, secura da pele, rinorréia, epistaxe44.

Trato urogenital: – BLAUFERON B
Foi descrito um aumento de proteínas45 e de contagem celular na urina46. Em casos raros, aumento de nitrogênio uréico no sangue8, creatinina23 e/ou ácido úrico no soro47.
Hematopoiese: – BLAUFERON B
Observou- se leucopenia18 transitória. Menos freqüentemente trombocitopenia48, diminuição da hemoglobina7 e do valor do hematócrito49. Em casos graves, os sintomas24 desapareceram entre os 7-10 dias de interrupção do tratamento. Detectou-se anticorpos50 contra o BLAUFERON-B®, sem o comprometimento clínico desta presença. Ocorreram descrições da presença de anticorpos50 contra o BLAUFERON-B® em pacientes nunca submetidos a terapias com essa proteína.

Posologia – BLAUFERON B
Em adultos, a dose usual está entre 3 e 6 milhões de unidades internacionais por dia. Em algumas situações particulares em pacientes com câncer51, utilizam- se doses maiores, levando-se em conta que os efeitos secundários são também maiores. Em crianças as doses usuais são de 50.000 a 100.000 U.I. por kg de peso/dia. A freqüência da administração pode variar entre diária, a três, duas e uma vez por semana. As duas últimas opções são utilizadas em esquemas de tratamento amplos. Algumas posologias de tratamento são citadas a seguir:
Condiloma1 acuminado: – BLAUFERON B
3 M.U.I. intramuscularmente diariamente durante 6 semanas, combinada com aplicação tópica de gel (1 M.U.I./g) 5 gramas.

Verruga Plantar: – BLAUFERON B
5 M.U.I. diariamente durante uma semana, seguidos por 5 M.U.I. na metade da semana e 5 M.U.I. duas vezes por semana durante as sete semanas adicionais. O tratamento se acelera significativamente se combinado com radioterapia52 superficial 1,5 Gy dia na metade da semana durante três semanas.Hepatites Virais:
Necrose10 hepática subaguda:
12 a 15 M.U.I. durante 3 a 5 dias, por via intraperitoneal ou intramuscular, seguidos de 5 M.U.I ao dia, por via intramuscular. Este tratamento deverá continuar até o desaparecimento da enfermidade e dos marcadores virais, que costuma ocorrer em um mês e excepcionalmente ao final de três meses.
Deficiência hepática viral aguda neonatal:
1 ou 2 M.U.I. (se a criança é maior ou menor de 2 meses respectivamente) por dia intraperitonealmente, durante uma semana. Na segunda semana deve ser administrada a mesma dose intramuscularmente e de acordo com a evolução do paciente, a freqüência de administração pode ser reduzida até três vezes por semana, desde a terceira semana. O tratamento continua até que os marcadores virais e a enfermidade sejam anulados.
Hepatite9 B aguda:
15 M.U.I. intraperitonealmente durante 3 dias ou 10 M.U.I. intramuscular durante 5 dias. O tratamento poderá continuar mediante a administração de 5 M.U.I. diárias de acordo com a evolução dos marcadores virais e da situação clínica.
Hepatite9 crônica ativa B:
Em adultos: 5 M.U.I. intramuscular diariamente durante duas semanas, após três vezes por semana, durante 4 semanas e duas vezes por semana, durante 16 semanas.
Em crianças: 3 M.U.I. intramuscular, três vezes por semana, durante 16 semanas. Se a criança é maior de 12 anos, a dose pode ser de 5 M.U.I.
Herpes Zoster11:
5 M.U.I. diariamente, durante 1 semana seguidos por 5 M.U.I. dia na metade da segunda semana, se necessário, combinada com a administração tópica do gel ou creme (1 M.U.I.) cada seis horas.
Vírus5 da Imunodeficiência53 Adquirida:
3 M.U.I., três vezes por semana, durante o período assintomático. Este tratamento deve ser continuado por tempo prolongado com controles hematológicos que incluem a presença de anticorpos50 anti- interferon alfa.
Em pacientes com Sarcoma de Kaposi14, recomenda- se 30 M.U.I. por dia. Se o diagnóstico54 for realizado precocemente, pode-se produzir a remissão total da doença ao final de seis semanas.
Leucemia12 mielóide crônica:
Após o estado de remissão obtido com quimioterapia55:
5 M.U.I., três vezes por semana, por 20 semanas.
3 M.U.I., três vezes por semana, incluíndo- se os pacientes em remissão.
Linfoma13 Não- Hodgkin de grau médio e baixo:
Após a resposta obtida com poliquimioterapia, 5 M.U.I., três vezes por semana, durante 1 ano ou mais.
Leucemia12 de células pilosas:
Dose inicial: 3 M.U.I. diárias, por via intramuscular, durante 16- 24 semanas. Pode recorrer-se à administração subcutânea nos pacientes trombocitopênicos (com menos de 50.000 plaquetas6) ou com risco de hemorragia31. Dose de manutenção: 3 M.U.I. por via intramuscular 3 vezes por semana.
Melanona Malígno: 10 M.U.I., por via intramuscular, três vezes por semana.
Sarcoma de Kaposi14 em pacientes com AIDS: Dose inicial: 30 M.U.I. diários, por via intramuscular. Dose de manutenção: 30 M.U.I., por via intramuscular, três vezes por semana.
Tumores sólidos:
Há diferentes esquemas de tratamento, desde alguns com baixas doses durante longos períodos de tempo, como em tumores carcinogênicos (3 a 5 M.U.I. diariamente ou três vezes por semana indefinidamente), a esquemas com maiores doses como em carcinoma56 metastásico a células renais (ciclos de três a quatro semanas com 5- 15 M.U.I./dia).
Caso surjam reações adversas, a dose deverá ser modificada, ou o tratamento deverá ser temporariamente suspenso, até o seu desaparecimento. Caso ocorra intolerância persistente ou recidivante ou evolução da doença após o reajuste posológico adequado, o tratamento com BLAUFERON- B® deverá ser descontinuado. A critério médico, o paciente poderá auto-administrar a dose. O material diluído, assim como todos os medicamentos de uso parenteral, devem ser inspecionados e revisados antes da administração, principalmente quanto à presença de partículas e descoloração.

Instruções Posólogicas Especiais – BLAUFERON B
As doses serão fixadas levando- se em conta os sintomas24 da enfermidade, os efeitos mielossupressores e outras anomalias detectadas em forma clínica ou em laboratório induzidos pelo BLAUFERON-B® ou por outras drogas que são administradas conjuntamente. Também deve-se considerar a aplicação de outros tratamentos prévios (radioterapia52, quimioterapia55) que possam ter debilitado a medula óssea. Em geral, recomenda-se não aumentar a dose.

Superdosagem – BLAUFERON B
Não se observou qualquer caso com humanos. Nos casos com sintomas24 graves, estes desapareceram em pouco tempo após suspensão da terapia e com medidas apropriadas. Como todo composto farmacologicamente ativo, recomenda- se o tratamento sintomático e de suporte. Instruções de Uso para a Reconstituição:
Nunca utilizar os frascos imediatamente após serem retirados da geladeira e respeitar as regras de assepsia habituais.
• Levar os dois frascos (diluente e pó) à temperatura ambiente.

• Retirar a cápsula protetora do frasco- ampola do liofilizado (fig. 1).
• Fazer a assepsia da superfície do tampão com o auxílio de um chumaço levemente embebido com álcool (fig. 2).
• Quebrar a ampola de diluente utilizando técnicas de assepsia habituais. (Cuidado para não tocar na extremidade aberta da ampola) (fig. 3).
• Com auxílio de uma seringa57 retirar a água da ampola do diluente (fig. 4).
• Penetrar a mesma na parte central da tampa do frasco- ampola do liofilizado (fig. 5).
• Aguardar a completa dissolução do liofilizado, agitando vagarosamente. O produto reconstituído deve resultar numa solução incolor (fig. 6).
• Retirar com o auxílio da seringa57 a solução reconstituída e aplicar a injeção58 (fig. 7).

A solução é transparente ou levemente opalescente.
Não utilizar se a solução estiver turva ou contiver depósito.

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
Nº do Lote, Data de Fabricação e Validade: Vide Cartucho.

BLAUFERON B – Laboratório

Bula do Rémedio / Medicamento